quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Meow



A minha irmã adoptou um gato. Já andava há algum tempo a magicar o assunto, sempre que cá vinha a casa e tinha os nossos (temos dois) e tinha um deles a correr atrás dela, a pedir miminhos ou a bater-lhe à porta à noite para dormirem com ela. "Tenho que arranjar uma companhia para mim...", ia dizendo e ao mesmo tempo adiando, com desculpas esfarrapadas. Que como ela trabalha por turnos, o gato ia passar muito tempo sozinho, onde é que o deixava quando quisesse ir de férias (cá em casa, duh?), etc, etc. Há pouco mais de uma semana atrás, do nada, ligou-me: "Mana, arranjei um gato!" A gata de uma conhecida tinha tido gatinhos e já estavam todos dados, menos um e ela andava desesperada à procura de dono para o gatinho. Assim que a minha irmã viu a fotografia do pequeno traquinas, derreteu-se e aceitou ficar com ele. Ligou-me a pedir dicas enquanto andava às compras de acessórios para o felino e andava toda entusiasmada. Dois dias depois tinha-o em casa. 

No domingo veio a casa votar e trouxe-o. É uma coisinha minúscula de 1kg, tinha acabado de fazer dois meses e é lindo. E um reguila e brincalhão de primeira. Muito desconfiado, pouco habituado a colo e que bufava sempre que um dos outros gatos se aproximava. Isolava-se muito, algo que me fez logo confusão porque o meu segue-me para todo lado e mesmo a dormir gosta de estar com companhia. Hoje já nem parece o mesmo. Continua a brincar imenso, passa horas a saltitar de um lado para o outro e a caçar bichinhos imaginários ou os brinquedos que lhe atiramos. É fascinante observá-lo, a televisão fica completamente esquecida. Por outro lado, já está mais sociável. A primeira vez que o tentei adormecer no meu colo, foi uma luta em que ele acabou por ser vencido pelo cansaço. Agora já é ele que nos procura quando se cansa da brincadeira e é vê-lo encostar-se a nós para dormir, tão pequenino, indefeso e já a confiar tanto em nós. 

É nestes momentos que não só não consigo perceber como sinto repugnância por quem abandona animais. Quem é capaz de abandonar um animal à sua sorte, trair a sua  confiança, não vale nada como ser humano. 

3 comentários:

  1. Os gatos são mesmo especiais.. Tenho três, dois deles estavam abandonados. Também me repugna quem os abandona, é aquele momento em que alguém olha para um animal, pega nele ao colo e tem coragem de o abandonar numa qualquer rua que não percebo.

    ResponderEliminar
  2. Os gatos são seres especiais, seja que animal for.. Não compreendo o abandono!

    ResponderEliminar
  3. Mesmo... tenho umas saudades imensas da minha bicha :(

    ResponderEliminar